Entenda e confira as inovações na indústria do transporte

Com os avanços tecnológicos, trajetos podem ser percorridos mais facilmente, o que reduz custos e também diminui o tempo empregado nos deslocamentos. Houve um grande desenvolvimento na indústria de transporte, por conta da globalização aliada à evolução nos sistemas de comunicação.

A relação entre os sistemas de transporte e a globalização é explicada pela modernização em vários segmentos da sociedade, originada a partir da transformação das técnicas relacionadas, principalmente, às indústrias.

Essas técnicas atuam no processo que constituem as práticas sociais e modificam o espaço geográfico. À medida que o capitalismo avança, as técnicas reproduzidas nos meios de transporte ganham novas formas, da mesma maneira que funções e tecnologias mais avançadas. Essas tecnologias fazem parte da Indústria 4.0 que também contribui para o aperfeiçoamento dos meios de transporte.

Neste artigo, você vai acompanhar como a indústria do transporte está sendo modificada pelo uso da tecnologia. Acompanhe!

1. O que é a Indústria 4.0?

O termo Indústria 4.0 tem origem na Alemanha, a partir de um projeto de estratégias do governo alemão que tinha como objetivo o incentivo à tecnologia. Esse termo foi anunciado pela primeira vez em 2011, na Feira de Hannover.

Em abril de 2013, na mesma feira, foi publicado um artigo sobre o desenvolvimento da Indústria 4.0, que define o termo da seguinte forma: conectando máquinas, sistemas e ativos, as organizações terão condições de gerar redes inteligentes por toda a cadeia de valor que controlam os modelos da produção de forma independente.

Isso significa que as indústrias inteligentes serão capazes de atuar de forma independente para prever equívocos nos processos, agendar manutenções e se adaptar aos requisitos e mudanças inesperadas na produção.

De forma resumida, falar de Indústria 4.0 significa afirmar que fábricas passarão a funcionar de forma muito mais eficiente e autônoma. As máquinas terão capacidade de se comunicar umas com as outras, dando origem ao chamado M2M (machine to machine) e decidirão orientadas conforme dados de demanda, usando para isso o big data.

Com a informatização da manufatura, estamos diante da Quarta Revolução Industrial, daí o termo 4.0.

1.1 Princípios da Indústria 4.0

Há seis fatores que norteiam o desenvolvimento e implantação da Indústria 4.0 e que são essenciais para a definição dos sistemas de produção inteligentes. São eles:

  • descentralização: as decisões podem ser realizadas pelo sistema ciberfísico, conforme as necessidades da produção em tempo real. Outra vantagem é que as máquinas não apenas passarão a receber ordens, mas também fornecerão dados referentes ao seu ciclo de trabalho. Dessa forma, os setores da fábrica inteligente passarão a trabalhar de maneira independente, com o objetivo de aperfeiçoar os processos de produção;
  • capacidade de operação em tempo real: refere-se à aquisição e tratamento de informações de maneira muito rápida, o que permite a tomada de decisões em tempo real;
  • virtualização: permite a rastreabilidade e o monitoramento remoto de todos os processos, e para isso são usados vários sensores espalhados ao longo da planta industrial;
  • orientação a serviços: utilização de estruturas de softwares voltados para serviços integrados ao conceito de Internet of Services;
  • modularidade: ligação e ruptura de módulos na produção, produção de acordo com a demanda. Isso contribui para a flexibilidade e alteração das tarefas das máquinas de forma mais fácil.

1.2 Como funciona a Indústria 4.0?

A Indústria 4.0 é voltada para os sistemas de produção ciberfísicos. Neles, sensores orientam as máquinas dizendo como elas devem ser processadas.

As atividades acontecem em um sistema descentralizado, onde começam a trabalhar juntas, fazendo uma comunicação sem fio, tanto de forma direta como via “nuvem” na Internet — a Internet das Coisas (Internet of Things ou IoT). Esse esforço é para que as fábricas se tornem mais autônomas e inteligentes.

O modelo IoT demonstra muito potencial quando o assunto é a internet e as redes que interligam almoxarifados, transporte de cargas fechadas e outros dados da cadeia de abastecimento. O resultado será revolucionário, iniciando com a armazenagem e transporte mais eficientes e culminando na geração de novas opções de entrega ao consumidor final.  

1.3 A Internet das Coisas no setor de logística

Nos próximos anos, o setor de logística alavancará níveis mais elevados de eficiência operacional graças à Internet das Coisas (IoT).

Nos armazéns, paletes e itens conectados serão um propulsor essencial para uma gestão de estoque mais inteligente. No transporte de cargas, o rastreamento e monitoramento de produtos serão mais rápidos, seguros e mais precisos, na medida em que a análise de uma frota conectada ajudará a antecipar problemas, o que permitirá o agendamento de verificações de manutenção de forma automática.

Finalmente, ao conectar os profissionais responsáveis pela entrega aos veículos e colaboradores que se encontram nos arredores, surge uma forma de capitalizar e otimizar a viagem de retorno, aprimorando a eficiência e o serviço prestado.

2. Como a tecnologia vem transformando a indústria do transporte?

Para as empresas que almejam ser eficientes em transporte, a Logística 4.0 é a nova ordem mundial quando o assunto é o comércio global. Por ela, serão movimentadas as mercadorias e os dados da Indústria 4.0, onde a produção usa máquinas por computadores, impressões em três dimensões para a fabricação de produtos, robótica colaborativa (robotização de linhas de produção), assim como ferramentas para a produção eficiente.

Dessa forma, as tendências que surgiram no início do século XXI fizeram com que as indústrias tivessem de acompanhar a evolução tecnológica. A velocidade dos processos e a combinação entre a cadeia de abastecimento vem aumentando e deve se tornar muito mais ágil, além de ter um ciclo mais curto.

Assim, a tendência de vantagem competitiva das redes de fornecimento e das organizações envolvidas nos processos será regida pela capacidade de flexibilidade, como também pelo planejamento constante e reação às transformações nos meios de consumo e produção. É aí que entra a Logística 4.0.

De forma geral, o fluxo de produtos era orientado pelo movimento de objetos físicos, tais como os mesmos materiais, para outros produtos. Entretanto, se as empresas permanecerem com esse pensamento, elas estarão fadadas ao fracasso por tentar apenas procurar um meio mais rápido de processamento de informações e materiais.

Embora esse processamento rápido seja necessário e tenha algum valor, esses esforços não fornecerão as mudanças necessárias nos processos substanciais, que são essenciais para as redes de negócios flexíveis do futuro.

Como consequência, os processos de logística devem alterar de forma radical seus padrões de comportamento por meio da integração de sistemas ciberfísicos. As organizações já começaram a implementar tecnologias da Internet das Coisas (IoT) baseadas em RFID (Radio Frequency Identification — Identificação por Radiofrequência).

Hoje, as pesquisas de desenvolvimento tecnológico levam para tipos de sistemas mais inteligentes, avançados e robotizados. A ideia de que os processos de logística transformarão a indústria que conhecemos na atualidade, requer novas perspectivas sobre os processos.

É preciso se valer de esforços científicos para conduzir empresas e profissionais na caminhada pela transformação de processos logísticos na Indústria 4.0.

2.1 Principais benefícios da Logística 4.0

A Logística 4.0 levará o setor para um novo patamar. Confira as principais mudanças e benefícios:

  • redução da perda de ativos: com a Logística 4.0 será possível conhecer os problemas dos produtos em tempo para encontrar uma solução;
  • gerenciamento do estoque do armazém: será possível monitorar inventários em situações de peças fora do estoque;
  • economia de custos de combustível: otimização das rotas de frota, condições de tráfego e monitoramento;
  • garantia da estabilidade de temperatura: monitoramento do resfriamento da carga;
  • identificação da visão do usuário: sensores incorporados fornecem visibilidade sobre o comportamento do cliente e uso do produto;
  • criação da eficiência de frotas: será possível reduzir as redundâncias.

Quer saber mais sobre a indústria do transporte? Então continue a leitura!

3. Quais são as principais inovações da indústria do transporte?

Tecnologias que ajudam na redução de custos são grandes aliadas para as empresas. A utilização de sistemas modernos e a criação de produtos de operação mais rápidos favorecem a diminuição do consumo de combustível — maior questão do setor logístico — e geram mais agilidade no embarque e desembarque do produto.

Com esse problema resolvido, o foco da gestão logística passa a ser no aumento da demanda, no lucro e no estabelecimento do produto no mercado, de maneira competitiva e com baixas perdas.

Ao analisarmos o fluxo de um serviço ou produto, vemos claramente que a inovação no mercado acontece quando a organização passa a investir em tecnologia. Assim, ela consegue introduzir a ideia antes dos concorrentes.

Portanto, seja na implementação de gestão de negócios ou de novos processos de produção, a inovação, quase sempre, vai ao encontro da eficiência por meio da otimização de investimentos e ganhos de escala, escopo que proporciona maior competitividade.

As novas tecnologias no setor de transporte rodoviário de cargas na atualidade apontam que a base da revolução tecnológica está sustentada por dois fatores essenciais: a Comunicação (TC) e as Tecnologias da Informação (TI).

Essas tecnologias tornam possível uma evolução dos conceitos de gestão logística como, por exemplo, o Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos (Supply Chain Management — SCM).

A prática do gerenciamento dessa cadeia apenas é possível graças à criação de vários Sistemas Integrados de Gestão (Enterprise Ressource Planning — ERP), que nada mais são do que um conjunto de componentes ligados entre si que recolhe dados para suportar tomadas de decisão, controle e coordenação nas organizações.

Mas, que sistemas são esses?

Podemos citar várias áreas de aplicações das Tecnologias de Informação (TI) e Comunicação (TC) que acarretam impacto para as áreas de Logística e Transportes, como, por exemplo, Sistemas de Gerenciamento de Armazéns (WMS), Sistemas de Controle de Tráfego Urbano (UTC), Sistemas de Roteirização de Veículos, Sistemas de Gerenciamento de Transportes (TMS), Sistemas de Informação Geográfica (GIS), Sistemas de Rastreamento e Monitoração, dentre outros.

Quase todas as empresas transportadoras de cargas, para prevenir roubo nas estradas, foram obrigadas a modificar os seus serviços. Para isso trouxeram para dentro das empresas o gerenciamento de risco, os sistemas de informações geográficas (GIS) e os sistemas de controle de frete.

No mercado brasileiro, segundo informações divulgadas pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), a maior matriz de transportes de cargas no país é formada essencialmente por rodovias, chegando a aproximadamente 65% do total.

Tendo esse dado em mãos, fica evidente que a evolução do setor de transportes passa pelo desenvolvimento de soluções inovadoras e focadas na eficiência, conectividade e segurança dos veículos, sempre com tecnologias que possam ser adaptadas às necessidades dos mercados. Dessa maneira, poderá existir uma melhora na eficiência dos processos logísticos.

As inovações tecnológicas ajudarão as organizações a explorarem as suas economias de escala. Algumas destas tecnologias logísticas já estão sendo testadas nos principais mercados da tríade (Europa Ocidental, Japão e América do Norte).

Um importante documento regulatório para o setor logístico foi aberto pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) com o nome de “Regulação e Desburocratização: propostas para melhoria do ambiente de negócios”. O teor desse documento traz 94 questões e orientações para auxiliar no baixo impacto fiscal e no desenvolvimento do país para gerar novos casos de sucesso em épocas de crise.

Dentre as principais citações está um item sobre Produtividade e Inovação:

  • promover parcerias entre faculdades, centros de conhecimento e organizações;
  • preservar os instrumentos de apoio às ações de desenvolvimento e pesquisa;
  • incentivar o desenvolvimento de startups e pequenas empresas de base tecnológica;
  • estimular a formação de recursos humanos para a inovação.

4. Quais são os desafios para a indústria do transporte no Brasil?

Base para a evolução de qualquer economia, a inovação é fundamental para a competitividade das organizações brasileiras no mercado internacional e para o crescimento da indústria.

Embora o país tenha evidenciado avanços recentes, é necessário aumentar o passo para acompanhar as principais tendências que estão transformando a produção e o consumo com a chegada da Indústria 4.0.

O impacto dessas transformações vem sendo discutido por especialistas. O professor da Universidade de São Paulo (USP), Roberto Vermulm, destaque em desenvolvimento científico e tecnológico no país, com base nas tendências contidas no livro Organizações Exponenciais, da Singularity University, acompanhado de especialistas da CNI, acredita nas novas tecnologias que dão corpo à nova Revolução Industrial.

“Existe uma tendência de termos produtos cada vez mais inteligentes, mas acredito que essa realidade não está tão próxima do mercado brasileiro. O caminho é o país investir cada vez mais em inovação para não ficar para trás e se tornar cada vez mais competitivo”, alerta o professor.

Vermulm também integra o Projeto 2027, que tem como idealizadora a CNI com execução técnica da Universidade de Campinas (Unicamp) e Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), instituições responsáveis por avaliar a capacidade de reação do mercado nacional às tendências tecnológicas que estão transformando a indústria mundial. São elas:

1. Inteligência Artificial, ciência e análise de dados (analytics);

2. Internet das Coisas e sensores;

3. Nanotecnologia;

4. Biotecnologia;

5. Robótica Avançada;

6. Impressão 3D;

7. Realidade Virtual e Aumentada;

8. Bitcoin e Blockchain;

9. Conhecimento perfeito.

O conhecimento perfeito refere-se à evolução da Internet das Coisas, aliada a sensores ilimitados e a sistemas inovadores de satélites em órbita na Terra. O que denominamos de conhecimento perfeito tornará possível que as pessoas saibam tudo o que desejam, em qualquer momento e lugar.

Quer saber quais os impactos da Indústria 4.0 no transporte? Então continue a leitura!

5. Quais os impactos da Indústria 4.0?

Um dos maiores conflitos causados pela Indústria 4.0 está relacionado às mudanças que afetarão todos os mercados, o que irá culminar na criação de novos modelos de negócios.

Em mercados cada vez mais competitivos, muitas organizações já integram ao produto as preferências e as necessidades específicas de cada cliente. A customização dos produtos surge como uma tendência no processo de manufatura. Isso merece a atenção dos empresários, já que, as indústrias inteligentes serão capazes de avaliar e atender a personalização desejada por cada consumidor.

Outra questão que será abalada pela Quarta Revolução Industrial é a confiabilidade da produção, a pesquisa e desenvolvimento nos campos de segurança em T.I. e a interação entre máquinas. A tecnologia irá se desenvolver constantemente para viabilizar a adaptação das organizações a esse novo modelo de indústria, que está cada vez mais próximo da realidade das organizações e pessoas.

Os profissionais também precisarão estar prontos para se adaptar, já que com indústrias ainda mais automatizadas, novas demandas tendem a surgir, em contramão de outras que deixarão de existir.

Com a Indústria 4.0 os trabalhos manuais tendem a se extinguir cada vez mais, a exemplo do que já observamos hoje nas fábricas de todo o país. Em contrapartida, as demandas em pesquisa e desenvolvimento oferecerão oportunidades para candidatos tecnicamente capacitados, com formação em múltiplas áreas para entender e atuar com a variedade de tecnologia que compõe uma indústria inteligente.

No ramo automobilístico, por exemplo, com o surgimento de carros autônomos e veículos conectados, a indústria será muito diferente dentre cinco a dez anos.

Será fundamental que as indústrias consigam encontrar maneiras de suportar novas estratégias de crescimento, ao mesmo tempo em que precisarão manter rentabilidade e custo-benefício.

Em contrapartida, a segurança também será um item muito importante, que exigirá da indústria automobilística superar desafios tecnológicos e regulatórios para que carros não sejam hackeados e controlados à distância. Isso, por exemplo, pode colocar a vida dos usuários em risco.

A certeza é que a Indústria 4.0 é um destinado traçado. Assim, os que começarem a implementar estratégias de transformação digital eficientes estarão no caminho certo para o sucesso. E você, já começou a modernizar a sua empresa?

Confira a seguir como a tecnologia otimiza o setor logístico na sua empresa!

6. Como a tecnologia voltada para o transporte otimiza o setor logístico?

Apesar de os processos evoluírem, as necessidades das pessoas continuarão as mesmas: receber mercadorias de forma rápida, correta e em perfeito estado de conservação, do jeito que elas saíram da fábrica. Isso significa que a estrutura logística sempre terá de estar fortemente ligada com a indústria, para garantir, por exemplo, a eficiência no caso de um grande aumento de demanda.

Hoje, os esforços de desenvolvimento e pesquisa caminham em direção a outros tipos de sistemas mais evoluídos. A noção de que os processos de logística irão transformar a indústria no modelo como conhecemos entrega novos aspectos sobre eles.

Os conceitos da Logística 4.0 auxiliam os profissionais a entender e a reduzir a perda de ativos, garantindo, dessa maneira, os controles necessários para uma operação eficiente.

A Logística 4.0 traz um novo leque de possibilidades. A Internet das Coisas também tem condições de gerar benefícios que evoluam os processos da cadeia de abastecimento preexistente, que englobem a utilização de ativos, planejamento da produção ou a utilização de espaço nos armazéns de forma mais eficiente.

Assim, o futuro está cada vez mais próximo, e apesar de não podermos afirmar com 100% de certeza o que vai acontecer, é fato que precisamos nos preparar se quisermos continuar no mercado. Nesse sentido, os dispositivos tecnológicos serão fundamentais.

É por isso que as organizações de grande visão estão oferecendo soluções em transporte expresso com grande segurança e agilidade, fazendo uso de tecnologia para aperfeiçoar suas entregas, como, por exemplo, ao usar o rastreamento on-line e fazendo uso de ferramentas por meio da internet — como rastreamento proativo e histórico dos transportes realizados — em que qualquer alteração de prazo é informada por telefone ou e-mail.

Em termos operacionais, como vimos, as transações serão muito mais ágeis e seguras. O perfil do profissional para atuar com todas as máquinas e equipamentos dessa nova indústria será mais arrojado. Será necessário trabalhar como articulador e ser capaz de analisar as informações. A tarefa de apertar botões está cada vez mais próxima de ser extinta.

Acompanhar as tendências oriundas da Indústria 4.0 não é essencial somente para gestores, mas também para todos os profissionais da área logística.

Além disso, a Indústria 4.0 promete modificar completamente a relação das pessoas com o consumo. Muito do futuro ainda não pode ser previsto, contudo outras novidades já estão em testes e devem fazer parte de nossas rotinas em breve. Você está preparado para encará-las?

O que você achou deste artigo sobre as inovações na indústria do transporte? Assine a nossa newsletter para ter acesso a mais conteúdos como este!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

oito − 1 =

Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial