Entenda o papel da logística no comércio exterior

Exportar tem sido uma das alternativas encontradas por pequenas e médias empresas para driblar a crise, mesmo que essas organizações tenham de arcar com excessiva burocracia, altas taxas e impostos.

Contundo, engana-se quem acredita que o processo de logística no comércio exterior tem início somente no embarque dos produtos.

Quer entender qual o papel da logística no comércio exterior? Então continue a leitura!

O papel da logística no comércio exterior e sua importância

­­Quando falamos em comércio exterior, fica evidente o papel de uma logística internacional voltada para o sucesso das operações. A logística vai fazer com que a mercadoria vendida ou comprada chegue até o seu destino, dentro dos padrões de qualidade e eficiência, em um prazo razoável, com o menor custo possível.

Alcançar uma logística eficiente é o primeiro passo para conquistar a credibilidade e a confiança do mercado e, assim, poder se consolidar no comércio exterior.

Quando se comercializa produtos para fora do país, é preciso ter em mente que a integridade dos itens é fundamental para o sucesso das operações. É só imaginar, por exemplo, exportar carne congelada e se descuidar do acondicionamento nos abatedouros, ignorar o manuseio correto da mercadoria na chegada ao porto de destino, ou transportar em contêiner sem temperatura adequada.

Quando os cuidados logísticos são ignorados, a qualidade do produto é comprometida antes mesmo dele percorrer todo o trajeto. Sem contar que o preço da mercadoria ainda precisa estar competitivo se comparado aos demais fornecedores internos e externos.

Esse é o desafio da cadeia logística no comércio exterior: acompanhar cada etapa e garantir a excelência dos processos.

Como a logística ineficiente dificulta a competitividade no comércio exterior

A Pesquisa da Confederação Nacional da Indústria (CNI) realizada com 847 exportadoras, revelou que os encargos com transporte, os entraves no escoamento da produção e os custos com portos e aeroportos são os principais desafios para o comércio exterior brasileiro.

Por esses motivos, o tema logística foi incluído na Agenda Internacional da Indústria pela primeira vez na CNI, na edição de 2017. O documento apresenta uma série de ações necessárias para inserir a indústria brasileira no mercado internacional.

De acordo com o especialista em Políticas e Indústria da CNI, Matheus Castro, os importadores e exportadores têm como desafio o grande número de taxas, tarifas adicionais e excesso de burocracia que se proliferam e são pouco transparentes.

“A solução para essas questões passa necessariamente por mais investimentos em nossos portos, principal elo da cadeia logística, e também na solução de entraves como a omissão de embarque”, destaca.

Essa situação gera dificuldades até para quem busca exportar para sair da crise financeira ou trazer produtos mais em conta de fora para reduzir o valor da mercadoria dentro do país.

É o caso da Marmoraria Mourão, sediada em Brasília. Sem estradas de ferro, consideradas mais eficazes para o deslocamento das placas de mármore, elas são transportadas em caminhões, o que onera, e muito, o preço do frete e o seguro da carga.

Segundo Matheus Castro, o ideal seria que o Brasil tivesse um porto seco com boas rodovias, o que também contribuiria para a geração de um grande número de empregos, além de favorecer a importação e a exportação no país.

Desafios e influência do comércio exterior na economia do país

O Brasil possui uma logística demasiadamente dependente do modal rodoviário, ou seja, caminhões transportam as mercadorias por todo o país, o que acaba, em alguns casos, encarecendo as mercadorias.

Para que o transporte rodoviário seja eficiente, é necessária uma boa estratégia para a execução dessa tarefa. Sem isso, corre-se o risco de, além da perda dos produtos, onerar ainda mais o preço final da logística no comércio exterior.

Ainda são entraves durante esse processo os acidentes causados pela má conservação das vias ou a demora n­­a espera em trajetos mais longos.

Assim, o grande desafio da logística no comércio exterior brasileiro é que a nossa estrutura não é adequada para a demanda de mercadorias que temos, e um país tão grande como o Brasil precisa melhorar a interligação entre rodovias, portos, aeroportos e produtores.

É fato que algumas políticas no sentido de melhorar a infraestrutura já estão sendo realizadas, mas não são capazes de acompanhar o ritmo da demanda externa.

Mesmo sofrendo com essa realidadeo Brasil é um dos principais exportadores mundiais, e carece de mais atenção dos órgãos públicos e do setor privado para melhorar seus processos.

Destaques do Brasil no comércio exterior

O Brasil se destaca também no agronegócio. É fato que os produtos agrícolas são mercadorias de baixo valor agregado, como a soja e o milho, contudo, muito relevantes na balança comercial brasileira.

De acordo com pesquisa do Outlook Fiesp 2026, a participação do Brasil nas exportações no mercado mundial de soja alcançará 49% em 2026, com aumento anual de 4,6%, acima dos 2,7%, em média, dos outros países produtores.

Ainda de acordo com o estudo, a projeção do milho é de um aumento anual de 8,8%, com a impacto nas exportações do mundo, alcançando 23% ao final do período projetado.

Os pactos comerciais entre os blocos econômicos, como o Mercosul, contribuem para facilitar a entrada de mercadorias estrangeiras em outras economias. Isso porque diminui os impostos e as tarifas alfandegárias, que incidem de forma direta na redução dos custos e no valor final desses produtos, favorecendo a competitividade dessas mercadorias no mercado externo.

Como conquistar bons resultados para a logística no comércio exterior

A globalização exige um novo olhar sobre os processos logísticos. A logística no comércio exterior deve ser vista além de mera estratégia de transporte, pois esse olhar se apresenta pouco abrangente e não traduz a complexidade de todo o processo logístico.

Portanto, para que a logística nas transações internacionais sejam rentáveis e produtivas, algumas situações devem ser analisadas, tomando como base um processo logístico internacional, que envolve:

  • estabelecer um diálogo produtivo com clientes e fornecedores;
  • escolher o modal de transporte mais adequado;
  • separar, embalar e marcar os produtos;
  • separar a documentação necessária para o transporte;
  • providenciar licenças e despacho aduaneiro;
  • quitar taxas e tributos relacionados à operação;
  • contratar seguro de transporte de cargas;
  • monitorar o deslocamento das mercadorias.

Restou alguma dúvida sobre o papel da logística no comércio exterior? Deixe um comentário com a sua pergunta.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

2 + dezessete =

Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial